quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018

BOULOS: “NADA COMO SER UM LADRÃO TUCANO, BLINDAGEM GARANTIDA”

O líder do MTST e possível candidato a presidente pelo PSOL, Guilherme Boulos, ironizou a informação de que o ex-presidente da Dersa Paulo Preto, apontado como operador do PSDB, tinha R$ 113 milhões em contas na Suíça; “Paulo Preto, chefe da Dersa por vários anos e acusado de ser operador do PSDB, tinha conta na Suíça com R$113 milhões. Tem extrato, tem tudo. E aí? Nada. Nada como ser um ladrão tucano, blindagem garantida”, disse Boulos em sua conta no Twitter

22 DE FEVEREIRO DE 2018 


SP 247 - O líder do MTST e possível candidato a presidente pelo PSOL, Guilherme Boulos, ironizou a informação de que o ex-presidente da Dersa (Desenvolvimento Rodoviário S/A) Paulo Vieira de Souza, conhecido como Paulo Preto e apontado como operador do PSDB, tinha R$ 113 milhões em contas na Suíça.

“Paulo Preto, chefe da Dersa por vários anos e acusado de ser operador do PSDB, tinha conta na Suíça com R$113 milhões. Tem extrato, tem tudo. E aí? Nada. Nada como ser um ladrão tucano, blindagem garantida”, disse Boulos em sua conta no Twitter.

Paulo Preto é investigado em inquérito no STF (Supremo Tribunal Federal) sob suspeita de ser operador do senador José Serra (PSDB-SP) em desvios de recursos do Rodoanel, obra viária que circunda a capital paulista. Ele comandou a Dersa, responsável pela obra, em governos tucanos, e também é investigado em São Paulo (leia mais).



Brasil 247

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

MARCO AURÉLIO: LULA NÃO PODE SER DISCRIMINADO E STF DEVE PAUTAR 2ª INSTÂNCIA

O gênio da grande área: Lula descasca o abacaxi



21 de Fevereiro de 2018

Por Ricardo Cappelli


Uma aula de política. Daquelas que merece ser pendurada na parede e virar referência para sempre ser consultada. Três ou quatro parágrafos apenas, não foi preciso mais. A posição de Lula sobre a intervenção no Rio é magistral.

Demonstra que ele não é o que é por acaso. Ciro até tentou. Na essência, apesar de sofrer ataques baixos de setores da militância petista anti-Ciro, falou o mesmo. Mas não conseguiu chegar ao grau de sofisticação do ex-presidente.

Quando publiquei há alguns dias um artigo chamando atenção da esquerda para o abacaxi que tinha no colo, e de como seria difícil descascá-lo, que a simples negação da proposta não resolveria, fui acusado de tudo. Jamais defendi votar a favor ou contra. Só disse que o problema era complexo e merecia uma resposta de mesmo porte.

Até que "Ele" resolve entrar em campo. Durante visita ao acampamento do MST em Minas nesta quarta feira, Luiz Inácio falou sobre a intervenção e deu um verdadeiro show.

Não se posiciona contra nem a favor diretamente. Não briga com o exército, mas afirma que as forças armadas não estão preparadas para enfrentar traficantes e que esta não é sua missão institucional. Os militares devem ter batido palmas para ele.

Não briga com a população, mais de 80% se posicionou a favor, dizendo que ninguém pode ser contra uma medida emergencial num momento de emergência.

Não briga com parte da esquerda que votou contra a medida dizendo que é uma ação improvisada de Temer, uma iniciativa oportunista e eleitoreira que não vai resolver o problema.

Mira e atira no alvo central sem espalhar brasa: o xadrez político, onde o atual presidente tenta ressuscitar.

Passa longe de devaneios como a "conspiração preparatória para um golpe militar". Não entra em histeria. É equilibrado, ponderado e pragmático. Dialoga com o interesse de todos os públicos envolvidos bailando suavemente. Descasca o abacaxi como quem toca um violino.

Não por acaso tenho repetido que a esperança de um desfecho positivo para esquerda, longe da gritaria que se instalou no seu meio, de corporativismos partidários inúteis ao futuro do país, passará necessariamente pela bola que Lula resolver chutar.

Se estiver num bom dia e entrar em campo com esta mesma lucidez, esteja onde estiver, as chances de vitória do campo progressista serão boas. Que os Deuses o iluminem.



Brasil 247

LULA: EXÉRCITO NÃO FOI FEITO PARA ATUAR EM FAVELAS


O ex-presidente Lula, que está em Belo Horizonte nesta quarta-feira, 21, atacou a intervenção militar no Rio e disse que a atuação do Exército nas favelas cariocas é inadequada; "As nossas Forças Armadas não foram preparadas para isso. Tenho uma preocupação porque sei que esse é um tema que mexe com todos os brasileiros, sobretudo os mais pobres", disse ele em entrevista à rádio Itatiaia; para Lula, a ação do governo é uma "pirotecnia"; "Eu temo que essa intervenção no Rio de Janeiro seja uma coisa de pirotecnia, de interesse político. O Temer sabe que o que tirou a Reforma da Previdência da pauta foi a pesquisa dizendo que os deputados não iriam votar"



21 DE FEVEREIRO DE 2018



Minas 247 - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva criticou a intervenção militar na Segurança Pública do Rio de Janeiro. Lula está em Belo Horizonte e em entrevista à Rádio Itatiaia, disse que a atuação do Exército nas favelas cariocas é inadequada. 




"As nossas Forças Armadas não foram preparadas para isso. Tenho uma preocupação porque sei que esse é um tema que mexe com todos os brasileiros, sobretudo os mais pobres", disse Lula. "Se o estado não está presente com políticas públicas, não dá certo. O exército é preparado para defender a soberania nacional e não estar nas favelas", acrescentou. 



Para Lula, que lidera as intenções de voto em todos os cenários nas eleições presidenciais de outubro e pode ser inabilitado pela Justiça Eleitoral, a ação do governo é uma "pirotecnia", que está relacionada à falta de votos do governo para aprovar a reforma da Previdência.



"Eu temo que essa intervenção no Rio de Janeiro seja uma coisa de pirotecnia, de interesse político. O Temer sabe que o que tirou a Reforma da Previdência da pauta foi a pesquisa dizendo que os deputados não iriam votar", disse Lula.



O ex-presidente destacou também que o brasileiro está ficando sem esperança. "Hoje você não tem no Brasil nenhuma instituição com credibilidade. O povo está perdendo a coisa mais importante que é a esperança", diz ele.


Brasil 247

SUPER-RICOS FORAM OS ÚNICOS QUE LUCRARAM COM O GOLPE DE 2016

O golpe jurídico-parlamentar que destituiu a presidente legítima, Dilma Rousseff, e instalou Michel Temer no Planalto beneficiou apenas os super-ricos do Brasil; enquanto a renda per capita do conjunto dos contribuintes do Imposto de Renda da Pessoa Física caiu 3,3% em termos reais de 2014 a 2016, no segmento mais rico da população - formado por pessoas que ganhavam mais de 160 salários mínimos por mês (R$ 140,8 mil à época) -, a renda per capita cresceu 7,5% reais

21 DE FEVEREIRO DE 2018 

247 - O golpe que instalou Michel Temer no poder só beneficiou os super ricos brasileiros. 

Arenda per capita do conjunto dos contribuintes do Imposto de Renda da Pessoa Física caiu 3,3% em termos reais de 2014 a 2016, quando a economia brasileira enfrentou sua pior recessão. Mas, no segmento mais rico da população - formado por pessoas que ganhavam mais de 160 salários mínimos por mês (R$ 140,8 mil à época) -, a renda per capita cresceu 7,5% reais.

O número de pessoas nesse segmento caiu, mas o total da renda subiu 2,2% em termos reais, indicativo de que a concentração de renda pode ter aumentado, diz o economista Sérgio Gobetti, do Ipea, com base em documento da Receita Federal.

O documento reforça a conclusão de que os mais ricos pagam muito pouco Imposto de Renda no país. A alíquota efetiva do IR em 2016 para o topo da pirâmide foi de apenas 6,1%, porque dois terços da renda nessa faixa eram isentos, provenientes principalmente de lucros e dividendos. O contribuinte desse grupo dispôs de renda média de R$ 5,873 milhões. Desses, R$ 3,805 milhões eram rendimentos isentos, R$ 1,390 milhão tributado exclusivamente na fonte (aplicações financeiras) e só R$ 677,9 mil tributáveis. Os que mais pagaram IR, com renda de 30 a 40 salários mínimos por mês, tiveram alíquota efetiva de 12,1%.

As informações são de reportagem de Ribamar Oliveira no Valor.



Brasil 247

COMPARATO: D. PEDRO II JÁ DEFENDIA CADEIA PARA MINISTROS DO SUPREMO

terça-feira, 20 de fevereiro de 2018